O seu browser está desatualizado!

Actualize o seu browser para uma correta visualização deste website.

Chrome

GOOGLE CHROME


DOWNLOAD



Firefox

MOZILLA FIREFOX


DOWNLOAD



IE

INTERNET EXPLORER


DOWNLOAD



Opera

OPERA


DOWNLOAD



Close

Inventário Permanente 2016

Alteração em Portugal

Inventário Permanente 2016

Links úteis:  Análise ao Inventário Permanente   Decreto-Lei n.º 98/2015, de 2 de junho

Expandir tudo

1. INTRODUÇÃO

A partir do dia 1 de janeiro de 2016 passa a ser obrigatória a adoção do sistema de inventário permanente para um número maior de entidades em Portugal.

1.1 Alterações legislativas

Decreto-Lei n.º 98/2015, de 2 de junho:

  • Transpõe a Diretiva n.º 2013/34/EU, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho de 2013 (relativamente às demonstrações financeiras anuais, às demonstrações financeiras consolidadas e aos relatórios conexos de certas formas de empresas);
  • Altera a Diretiva n.º 2006/43/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, e revoga as Diretivas n.º 78/660/CEE e 83/349/CEE do Conselho;
  • Altera o Decreto-Lei n.º 158/2009, de 13 de julho (Sistema de Normalização Contabilística).

1.2 Quais os artigos mais importantes no Decreto-Lei n.º 98/2015, de 2 de junho?
  • Artigo 9º (conceito de microentidades)
  • Artigo 12º (inventário permanente)

1.3 O que são Inventários?

Segundo a NCRF 18, os inventários (existências): são ativos

  • a) Detidos para venda no decurso ordinário da atividade empresarial;
  • b) No processo de produção para tal venda; ou
  • c) Na forma de materiais ou consumíveis a serem aplicados no processo de produção ou na prestação de serviços.

1.4 O que é o Sistema de Inventário Permanente?

O sistema de inventário permanente permite saber a evolução do custo do inventário ao longo do período. As entradas e saídas do stock em armazém são contabilizadas de um modo sistemático, em quantidades e valores, o que possibilita conhecer a todo o momento a posição do inventário na contabilidade.

De outra forma, a conta de compras deve estar sempre saldada e o custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas tem de ser calculado por cada venda ou consumo. Desta forma, a contabilidade reflecte permanentemente as quantidades físicas e a respetiva quantia escriturada do inventário existente.

Assim, é possível saber através da contabilidade o valor do stock de mercadorias, matérias-primas, subsidiárias e de consumo, produtos acabados e intermédios, produtos e trabalhos em curso e subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos, bem como os consumos de mercadorias vendidas e matérias-primas consumidas e variações nos inventários da produção.


1.5 Na prática quais os procedimentos a cumprir no Sistema de Inventário Permanente?

As entidades são obrigadas a adotar este sistema têm de:

  • Proceder às contagens físicas dos inventários com referência ao final do período, ou, ao longo do período, de forma rotativa, de modo a que cada bem seja contado, pelo menos, uma vez em cada período;
  • Identificar os bens quanto à sua:
    • Natureza
    • Quantidade
    • Custos unitários e globais, por forma a permitir a verificação, a todo o momento, da correspondência entre as contagens físicas e os respetivos registos contabilísticos.

1.6 Quem está obrigado adotar o Sistema de Inventário Permanente?

São obrigadas a adotar o sistema de inventário permanente as entidades a que seja aplicável o SNC ou as normas internacionais de contabilidade adotadas pela UE (Art. 12º, nº 1).


1.7 Quem está dispensado de adotar o Inventário Permanente?
  • As microentidades (Art. 12º, n.º 2);
  • As entidades que prossigam as seguintes atividades (Art. 12, n.º 4):
    • Agricultura, produção animal, apicultura e caça;
    • Silvicultura e exploração florestal;
    • Indústria piscatória e aquicultura;
    • Pontos de vendas a retalho que, no seu conjunto, não apresentem, no período de um exercício, vendas superiores a € 300 000 nem a 10 % das vendas globais da respetiva entidade.
  • As entidades em que atividade predominante consista na prestação de serviços, considerando -se como tais, para efeitos deste artigo, as que apresentem, no período de um exercício, um custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas que não exceda € 300 000 nem 20 % dos respetivos custos operacionais (Art. 12, nº 5).

1.8 Quais as entidades que são consideradas microentidades?

As microentidades são as entidades que à data do balanço (para 2016, significa que a data de balanço se refere a 31/12/2015) não ultrapassem 2 dos 3 limites seguintes (Art. 9º, nº 1):


1.9 Como cumprir a obrigatoriedade do Inventário Permanente com o CentralGest?

Para os gabinetes de contabilidade que habitualmente não fazem a contabilidade nas instalações dos seus clientes:

A CentralGest disponibiliza uma nova solução que permite introduzir mensalmente o valor do inventário físico de mercadorias, matérias-primas, subsidiárias e de consumo, produtos acabados e intermédios, produtos e trabalhos em curso e subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos. O que possibilita desta forma, apurar mensalmente os consumos de mercadorias vendidas e matérias-primas consumidas, e as variações dos inventários da produção.

Para situações em que a contabilidade é feita nas instalações da própria empresa e esta tem implementada a gestão de stocks do CentralGest ERP:

Como já acontece a integração das compras e outros documentos associados à movimentação de stocks, são facilmente configurados para que os registos contabilísticos sejam realizados em tempo real.

De qualquer forma, a CentralGest introduziu uma nova funcionalidade que permite o encerramento de stocks por período, por forma a garantir a consistência entre a contabilidade e a gestão de stocks.

Inscreva-se na nossa newsletter e mantenha-se atualizado acerca das novidades do CentralGest ERP e das alterações às leis em vigor!

Increver na Newsletter